• Vinni Corrêa

Uarlen Becker

Uarlen Becker nasceu em 1976, em Salvador, Bahia. É filho de barbeiro e cabeleireira. É formado em Artes cênicas pela UFBA, possui inúmeros trabalhos como ator e diretor. Publicou sete livros entre poesia e contos, além de cerca de 20 textos para teatro, alguns deles montados e adaptados para cinema.

Uarlen Becker was born in 1976, in Salvador, Bahia. He is son of a barber and a hairdresser. He graduated in Performing Arts from UFBA and he has numerous works as an actor and director. He published seven books between poetry and short stories, in addition to about 20 texts for theater, some of them mounted and adapted for cinema.



SUPETÃO


Saí de casa atrasado e os colegas não iriam tolerar mais aquele absurdo eu pagaria uma prenda Uma prenda é uma maneira infantil de realizar aqueles castigos É uma brincadeira dos funcionários lá da empresa Uma trovoada e o prenúncio de chuva Estou me benzendo como de costume quando saio de casa como se o senhor estivesse vendo meus movimentos Eu não sei se acredito em nada disso mas a tradição familiar fala mais alto Eu recebera os ensinamentos da mamãe e do papai e da avó paterna que era uma carola de carteirinha Saudades dela mesmo assim Dito e certo começou a chover Peço um taxi e já desço dele correndo e me coloco embaixo de uma marquise O taxista deve ter ficado puto com a corrida tão curta Meu colega agitando os braços, parece meio irritado Corro e imediatamente estamos no hall de entrada do prédio que leva o nome de um pintor francês Ora que porra mais um prédio com nome de estrangeiro eu penso enquanto acompanho o colega que também fugia da chuva


Você não vai acreditar na porra que aconteceu A mãe da revisora morreu ficou um clima chato do caralho então o pessoal cancelou a festinha


Puta merda é uma merda atrás da outra perdi meu telefone saí na chuva e agora isso Como ela está


Estão consolando ela Por isso que todo mundo ligou pra te avisar mas deu caixa o tempo todo


Não deu outra Subimos para o apartamento dele para beber alguma coisa e não perder a noite Me jogo no sofá Uma bela vista do apartamento pequenininho


Que cerveja amarga é essa pergunto lendo o rótulo


Bem encorpada né


Muito Uma delícia


Agora que dou por nós já estamos na sétima cerveja Eu esparramado no sofá depois de mijar pela terceira vez Cerveja me faz urinar o tempo todo


Lava as mãos pelo menos grita ele me sacaneando

Estão sempre limpinhas cheira aí eu digo colocando a mão esquerda na cara dele

Cheiro de rola ele diz dando risada enquanto lá fora a chuva castiga o centro da cidade e a cidade toda


Ele abre um pouco a janela para entrar ar fresco e eu sinto aquele cheiro de maresia Eu penso na colega com a mãe morta Eu tinha comido ela anteontem mas não consegui gozar ela deve ter gozado umas oito vezes mulher é foda Eu prometi a mim mesmo não comer nenhuma colega do trabalho e aquela já era a quinta Elas devem comentar umas com as outras Não é que eu me acho um fodedor profissional ou o pica das galáxias Elas se abrem e eu meto a pica mas não comento com ninguém


Você fala assim e eu já fico de pau duro Na empresa tem muita mulher gostosa


Eu também fico mas não comenta com ninguém que transei com elas Você é a primeira e única pessoa que sabe Pelo menos de minha parte


Fica agora um silêncio Ele pega em meu pau e eu no dele Eu não acredito muito e meu coração parece sair pela boca A cidade deve estar inundada


Agora ele chupa meu cu enquanto me punheta Eita porra Ele me beija e eu deixo Ele é hábil em tirar a camisinha e continuar chupando meu pau Enfia dois dedos na minha boca Agora é o pau dele em minha boca Que porra é essa que eu tou fazendo Meu pau baba sem parar Agora que dou por mim de supetão ele enfia em meu cu Lembrei que não consegui gozar com a colega cuja mãe é morta Que dor e Que delícia Estou todo arrepiado Caralho Que porra, na terceira metida bem fundo eu gozo em minha própria barriga Nunca gozei tanto assim Ele goza mordendo meu mamilo direito O que foi que fizemos eu perguntei e ele me disse relaxe Abro os olhos Estou em casa O despertador toca Não sei se irei para o enterro da mãe da colega Fecho os olhos novamente Amanhã será véspera de natal




See all works from Obscenografica Issue 1

Veja todos os trabalhos da Obscenografica Edição 1


#conto #shortstory #gay #homossexual #LGBT #sexo #foda #trepada #gozo #pornô #históriaerótica #contoerótico #contopornô #pornô #pornográfico #tesão #pauduro

25 visualizações

© 2020 by Obscenografica - a manifesto for freedom of speech and diversity. All rights reserved.

antologiaobscenografica@gmail.com

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now